Propostas Chapa 20

 

Para a Chapa 20, a principal contribuição que a UFRJ pode dar à chamada inclusão social é concentrar seus esforços e recursos na oferta de cursos de graduação da mais alta qualidade. No que toca à inclusividade, sua proposta tem, como todo programa de ação, dois aspectos que se entrecruzam.

O primeiro é reconhecer a necessidade de dar conta do nó do estrangulamento orçamentário e das disfunções e anacronismos de gestão. A Chapa 20 se oferece para desatá-lo. Buscar mais recursos, orçamentários ou extra-orçamentários. Trazer a gestão da UFRJ para o estado da arte do século 21.

O segundo é que diante da escassez de recursos e dos entraves do nó, só é possível propor algo para valer se escolhendo uma prioridade clara, suprema. O que será prioritário seja no primeiro momento em que não se desatou ainda o nó, seja enquanto se desata o nó, seja depois que se desate o nó.

A Chapa 20 se afirma como escolha para reitoria da UFRJ sob a bandeira de um pragmatismo visionário. Pragmatismo porque a prioridade suprema da Chapa 20 no uso dos recursos e no foco das atividades universitárias são os cursos de graduação: atender a missão primeira da universidade, formar gente. Visionário porque a Chapa 20 sabe que a UFRJ segue sendo bem ranqueada apesar das dificuldades como resultado do zelo, do empenho, do trabalho de docentes, técnicos, administradores e estudantes. Seu pragmatismo é visionário com essa base e confiança. Aposta no quão mais longe este mesmo zelo, empenho e trabalho podem ir, o quanto mais podem obter. Assume assim como sua tarefa de ajudar para que possam fazer mais e melhor. Para que docentes, técnicos, administradores e estudantes possam fazer a passagem pela UFRJ mais enriquecedora, fecunda, significativa, valiosa para si e para sua comunidade, para o Brasil, para a humanidade.

A chapa 20 sabe que é na ponta que se tem mais claras as demandas e problemas, os estudos e rumos mais promissores de soluções. O papel da reitoria é ser instância de definição da prioridade geral. Motivar, articular, dialogar com os departamentos, cursos, unidades e centros da UFRJ. A reitoria afirma-se parte da governança colegiada da universidade, para somar esforços e recursos. Remover obstáculos disfuncionais e anacrônicos. Colaborar e contribuir com esforços para obter recursos. É assim que se pode ter o melhor encaminhamento do que sejam as prioridades em cada lugar e local para infraestrutura, serviços, incentivos, gerenciamento de riscos e gestão fluente das atividades universitárias. Para atender ao mais importante e premente, às coisas pequenas, cotidianas, constantes, de que se depende para que se possa ter, usufruir e desfrutar da vida universitária.

Estimulando e apoiando docentes para que tenham espaço, apoio e reconhecimento para propor e levar adiante inovações, experimentos, articulações, projetos e iniciativas dos mais diferentes tipos. Facilitando o encaminhamento e assegurando presteza no suporte a suas atividades.

Atuando para afirmar, valorar e pautar as atividades de seus técnicos, de seus administradores para que estejam envolvidos, engajados e enriquecidos em suas atividades, participantes e colaboradores da vida e da missão universitária, cientes e orgulhosos de trabalharem aqui e não num lugar qualquer.

Considerando as necessidades específicas do acolhimento estudantil em seus aspectos materiais e imateriais, reconhecendo e valorando iniciativas estudantis de toda ordem seja para motivar ou enriquecer seus trajetos formativos, seja para melhor identificar e atender às demandas específicas de cada estudante diante de seus percalços ou de necessidades especiais.

É assim, priorizando graduação da mais alta qualidade que a Chapa 20 entende que a UFRJ faz mais, melhor inclusividade, alinhada com sua razão de ser como universidade pública e democrática.